Projeto #462

image

Hoje é quinta, e como disse no post anterior, agora não tenho mais folgas durante a semana. Todo dia é dia de escrever e sendo assim, nada mais justo do que escrever utilizando o cérebro.

A Rebecca Veiga lá do Bagunça Perfeita iniciou na sexta-feira passada o Projeto #462, que nada mais é do que diversos exercícios de escrita para promover a criatividade. Interessantíssimo, não? Pois é, eu achei! E tendo achado, participei.

O primeiro tema foi proposto na própria sexta e consiste na seguinte idéia:

Um homem pula do quadragésimo andar de um prédio. Quando está passando pelo vigésimo oitavo andar, ele ouve um telefone tocar e se arrepende de ter pulado. Por quê?

Eis que vos apresento o motivo. Espero que gostem:

Projeto #462 – Exercício #1

O vento vestia-lhe, por dentro das vestes, de liberdade e coragem; despia-lhe de medo e incertezas; soprava-lhe motivação.

Um passo.

O limite reto de concreto frio sob a pressão de seus dedos de um pé descalço preenchia-lhe o tato. Nas mãos, o celular fazia a ligação.

Mais um passo.

E o vazio.

Naquele instante, não tinha nome, não havia vivido história alguma. Não era ninguém. Fora consumido pelo nada. Preenchido de essência. Era o mundo e era tudo. Espalhou-se pelo espaço. Era feito átomo e do átomo viera, e da matéria se fizera, e do vento a energia sentia, e, do vento, quarenta motivos o sopro lhe trazia.

Quarenta andares.

Quarenta janelas.

Quarenta histórias.

Nenhuma tragédia.

Entrava cedo do dia pelas portas – logo abaixo – que davam para o a recepção daquele prédio comercial e, desde lá, todos sorriam. “Bom dia” diziam. Apenas um olhar lhes retribuía. Seria ele, somente ele, a quem a noite perturbava e o sono tomava? De certo que sim. Afinal, ali, todos sorriam.

Trinta e sete.

No rumo da venta, de lá zarpava para noite. Da noite para casa. Em casa, sua esposa despojava-lhe o sossego. Era “Da cama para o sofá – Já!”. Culpa do hálito. Culpa do bar. Culpa do trabalho. Culpa do dia; dos “Bom dia”. Culpa do … Culpado!

Dali, agora, contava: trinta e quatro janelas. Sua idade. Não mais que Cristo. Ou teria Ele trinta e três? A consciência, impiedosa, acometia-lhe a culpa. “O que seria de um homem sem a fé” perguntava o pai e a mãe respondia “Um trapo”. Trapo de homem, era o que era! Sem fé, sem salvação. Sem perdão!

Ainda criança, sua mãe em desespero berrava “Desista, menino. Sai daí, ele não vai tocar” e resignado deixava o telefone sempre com o olhar por cima do ombro na esperança de ouví-lo tocar. Sempre as 17:45 o velho ligava “Já saí daqui garotão. O que vai ser hoje?”. Ele, o pai, tinha vinte e oito. Ele, ele mesmo, cinco. Na cama, o choro e da mãe o consolo “Não o culpe, por favor. Dê a ele o seu perdão de todo o seu coração”. O pai morreu cedo e, assim como o telefone, todo o resto ficara para trás com a sua lembrança.

Quanto mais faltava? Pouco mais que trinta janelas. Trinta talvez?

Vinte e nove! Aquele era o andar dela, a sedutora, a mulher do vestido vermelho. Distração certa em qualquer situação que estivesse. No elevador, corredor, escritório. E até em queda livre. Estava deslumbrante apoiada no batente da porta enquanto conversava com alguém do lado de fora. Sua mulher o odiaria por isso, na certa brigari… Alguma coisa vibrou em sua mente dragando de seu devaneio. Era no andar abaixo. O vinte e oito!

E tornou a repetir.

Era um toque de telefone, um daqueles antigos, do tipo metálico que vibrava coçando os ouvidos. Há anos não ouvia aquele toque.

Malditos escritórios retrôs.

Instintivamente, ergueu o pulso. 17:45!

Agora se lembrava: nem tudo ficara para trás. Gravado em sua alma, o ato se perpetuou. Ligava todo dia para seu menino “Já saí daqui garotão. O que vai ser hoje?”. Ele tinha trinta e quatro. O menino, cinco. O pai, vinte e oito. Na tela do celular, não era o número do filho que chamava.

Volta! Cancela! Aperta o vermelho. “Anda, funciona! Liga para o seu filho” sua consciência ecoava em seu ouvido. “LIGA PARA O MEU FILHO, DESGRAÇA” berrava.

O aparelho não voltou. Não cancelou. Não conseguiu apertar o vermelho – que agora era de arrastar –, mas, do outro lado, uma voz rouca, cansada, feminina respondeu “Alô?”.

Coração apertado, o pulso na boca e as lágrimas nos olhos. Planejara tudo aquilo. Passara semanas ouvindo aquela voz na imaginação. Tinha o diálogo pronto “Você estava errada, o telefone tocou”. E nada saiu.

“Alô” repetiu sua mãe.

“Mamãe” conseguiu dizer entre choro “o que vai ser hoje?”.

Anúncios
Projeto #462

16 comentários sobre “Projeto #462

    1. Muito obrigado Rafaela. Essa sempre foi minha grande dúvida e meu grande objetivo. Nunca soube como prender atenção. Muito obrigado pelo comentário, foi um grande alívio saber que alcancei o objetivo. Quinta-feira posto o próximo exercício. “Até quinta!”

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s