Aguardem: Onírico Leitor

E quem aqui lembra do tio Onírico?

Eu sei, eu sei, ainda meio sumido, não é pessoas legais?

A vida é dura conosco e nós somos todos (pelo menos eu) um bando de molengas. Apanhei feio  e fiquei triste, dodói mesmo, sem vontade de nada nada nada.

Mas aqui estou, pronto pra dar a volta por cima E com novos projetos. Isso mesmo que vocês leram. Novos projetos.
Não.

Na verdade, será apenas uma releitura do Projeto#462 do Bagunça Perfeita para os moldes do Youtube. A ideia é ler os textos já escritos e produzir novos textos fundados em temas propostos pelos inscritos com o objetivo de promover a leitura àqueles que, por algum motivo, não gostam, não querem ou não podem ler.

Portanto, fiquem espertos, tentarei voltar com força total. E sim: os novos textos produzidos para a leitura no Youtube serão postados primeiramente aqui como continuação do Projeto #462!

Ahhh Dona Rebecca, como eu gostaria que a senhora voltasse com as propostas.

Volta, volta, volta por favor!

 

Anúncios
Aguardem: Onírico Leitor

Mexidos

Me pediu um mexido
Na panela, arroz, feijão e mignon.
Mexidos.

A mãe deu o contra
Ela, subiu
Eu mexi.

Desceu, nao quis
Expliquei
Ainda nao quis.

Sai, chateado
Expliquei
Ela, como bala, retorquiu.

Ofendeu: retardado
Ela diz
Eu, reagi.

Há meses peço:
Acalme seu amigo
Amigo sem calma.

Há meses ela insiste:
Ironiza, ofende, insiste
Eu, reajo.

Coração não aguenta
Cabeça não sustenta
Corpo não cola.

Mexidos

Projeto #462 – Tormento recorrente

Estou reblogando o texto da Fernanda por dois motivos:

1 – o texto dela para o Exercício #2 do Projeto #462 é maravilhosamente surpreendente ;

2 – Ela linkou todos os textos que participaram essa semana e como estou no celular, refazer isso tudo seria mais que trabalhoso.

Obrigado pela idéia Fernanda. Semana que vem esperarei a Rebecca publicar os textos para, só depois, publicar o meu e linkar os outros.

Aproveitem!

Fernanda Beziaco

Texto produzido para o Projeto #462 do blog Bagunça Perfeita.

O desafio era escrever uma historia que terminasse com a frase “e esse é o quarto…”


Tormento Recorrente

Me faltava vergonha na cara e me faltava sono na cama. Os dias se arrastavam enquanto minha falta de coragem se arrastava comigo. A vida de outrora era apagada e o futuro incerto era apenas uma ilusão distante, mas o presente era todo agonia e procrastinação.

A louça se acumulava na pia, as roupas sujas no chão, enquanto o chuveiro pingava gotas malditas a cada sete segundos fazendo meus olhos ardidos e vermelhos pestanejarem afetados.

Duas semanas antes eu estava tão bem. O Sol iluminava a casa. O lençol na cama ainda tinha o cheiro limpo da última lavanderia feita. Os meus travesseiros e os dele estavam alinhados. E o som de nosso bom humor ainda perdurava na sala. Mas agora…

Ver o post original 231 mais palavras

Projeto #462 – Tormento recorrente

Capítulo 01: Escolhas e Consequências (Parte 03/03) Conclusão

Enquanto os demais discutiam o caso Mesuran, Darvi Blake, o mestre de obras, absorvia cada palavra com perplexidade. Falavam sobre movimentação de tropas e seus custos, sobre posicionamento em campo aberto, fabricação e transporte de armamento. Calculavam o tempo de recuperação da produção agrícola que seria destinada para alimentação de cavalos e soldados. Estimavam perda de lucro com proibição de comércio com os reinos vizinhos, enquanto já havia planos de retorno (a seu ver, milagrosos) com o estímulo ao comércio interno. Havia algo de errado com aqueles homens, pensava. Pensou alto demais.

– Desculpe – o rei tirara-o de seus devaneios – gostaria de falar algo?

– Tenho permissão para falar livremente, Vossa Majestade?

– Faço gosto de ouvi-lo, mestre Blake.

– Os companheiros falam de guerra com facilidade e eu ouço sobre vidas perdidas com horror. Decidem pelo destino do reino sem, ao menos, terem ideia de que também estão decidindo pela vida de cada uma das crianças, mandado-as para batalhas de uma guerra que ainda nem foi declarada. Impõem o sofrimento às mães destes pequenos. Determinam para quem fazendeiros devem vender suas verduras e legumes ou não. E todas essas decisões foram tomadas sem uma tentativa de conversa com Condril. – Discorreu com o mesmo fulgor de quando, outrora, relatava sobre o avanço das obras. Protestava em defesa de seus homens, falava com a voz do povo. Agarrara-se àquela oportunidade de levar medos, receios e a visão de seus iguais aos homens que passaram a escutá-lo, agora, como a um igual.

Demóstenes, que ouvia tudo com um sorriso fraternal, levantou-se e foi em direção ao homem que concluía, com exaustão radiante, seus pensamentos.

– É com grande prazer que recebemos a visão de um homem do povo, mestre Blake…

Aproximou-se  de Darvi Blake retirando a túnica.

– Mas devo salientar que, diferente do que pensa, a falta de tentativa de diálogo com Benson Filnach dá-se, exclusivamente, por já conhecermos sua posição quanto ao assunto…

Aproveitou o assento vazio ao lado do mestre de obras para pendurar o manto…

– No passado, quando solicitamos sua ajuda no caso Mesuran, Benson recusou-se veementemente e ainda forneceu todo o apoio financeiro e militar a Cágeni – sentou-se com o braço apoiado sob a mesa e com sua face sob a forma de uma máscara sorridente olhando fixamente para Blake.

– O que este homem quer, Darvi, é guerra! Basta-nos saber se o motivo é retaliação, imposição cultural ou uma oportunidade para tomar Portouro – completou Ughar.

– Benson defende a latência cultural e religiosa; condena Mansedes por virar as costas aos costumes antigos do continente – concluiu Demóstenes ainda mantendo a face congelada.

– Neste ponto em que me apoio, Vossa Beatitude: as decisões que aqui são tomadas refletem na vida de cada habitante de Mansedes. Nossos filhos são levados para outras cidades para comporem o exército do reino. Maridos foram levados para as fronteiras em uma obra sem precedentes. Todos fomos doutrinados perante os dogmas de Ardir. Não nos foi dado o direito de escolher onde trabalhar, de que forma educar nossos filhos e, muito menos…

Darvi Blake estancou o raciocínio tão repentinamente quanto dera início à reunião momentos antes. Todos observavam incrédulos enquanto Demóstenes forçava algo em suas mãos contra o ventre do mestre obras com solavancos cada vez mais intensos.

– Conclua, homem. Conte-nos como não lhe foi dada escolha a religião. – Demóstenes escancarava seu sorriso fraternal em enormes dentes insanos. – Veja: agora, você tem a escolha. Nosso louvado Ardir é misericordioso. Escolha viver em Sua presença e seja recebido de braços abertos, ou, caminhe para o reino de seus antigos deuses e sinta toda a fúria de entidades renegadas – retirava vagarosamente a lâmina do macio estômago do construtor e, sorria ainda mais, enquanto via o fio de vida se esvair dos olhos cansados do mais sábio homem que sentara àquela mesa. Uma ameaça a menos!

Impassível como a ignorância, Demóstenes guardou a lâmina dentro da faixa que circundava sua cintura e tornou a cobrir-se com sua túnica intacta. Sereno, como sempre, tornou a discursar:

– O homem mais uma vez estava certo, Vossa Majestade. Todas as escolhas deverão repercutir na vida de cada um de nós para que Mansedes prospere hoje e nos dias que virão. Lembre-se: a primeira vida tocada por Ardir foi a de vosso próprio filho, portanto, vossa dívida será eterna perante a benevolência de nosso amado e verdadeiro Senhor.

Capítulo 01: Escolhas e Consequências (Parte 03/03) Conclusão

Explicações de Segunda

Bom dia a todos.

Neste semana, encerrarei o Capítulo 01: Escolhas e Consequências na quarta-feira como de costume. Isso quer dizer que todos os elementos que deveriam ser apresentados já foram publicados aqui no blog: Personagens, Locais e curiosidades.

Como combinado, toda segunda deveria ter post sobre as personagens presentes no trecho publicado, e como vocês já conhecem Ughar, Demóstenes, Gerard, Darvi e Cletus, fico mais tranquilo em não ter preparado nada para vocês. Pois é. Hoje não estou no trabalho, logo, estou sem acesso ao meu material sobre o livro e, além disso, precisei me preparar para resolver umas questões pessoais na cidade.

Espero que todos compreendam os motivos e entendam que esta é uma semana atípica.

Para quem perdeu algum post sobre o capítulo 01, aproveite para clicar nos links do primeiro parágrafo. Está tudo bem organizado.

Espero que todos tenham uma boa semana.

Abraços.

Explicações de Segunda